Neste post contamos algumas dicas importantes para você fazer uma viagem e ótimos passeios de forma econômica à ilha de Fernando de Noronha.

Como todo bom professor julho é época de dar uma pequena pausa nos trabalhos e recarregar as energias. E o destino escolhido desta vez foi Fernando de Noronha, um dos locais mais sonhados por dez entre dez brasileiros e claro, por mim também.

Fernando de Noronha é um destino caro. Mesmo fazendo tudo de forma bastante econômica você vai gastar mais dinheiro do que gastaria em uma outra viagem, mas é um lugar que vale a pena ir, nem que seja uma vez na vida.

Eu estive em Noronha entre 14 e 20 de julho de 2019 e toda a minha viagem, incluindo passagens aéreas, de ônibus, hospedagem, refeições, passeios, ou seja, tudo, tudo mesmo, contabilizou R$ 4115,55.

Como chegar em Fernando de Noronha

Se você planeja viajar para Noronha a única forma que vai encontrar para chegar até lá é de avião.

Ah, mas não é possível ir de barco? Claro que é, Fernando de Noronha é uma ilha.

Porém não existem linhas regulares para Noronha e nem cruzeiros marítimos que vão até lá. Os únicos barcos e/ou navios que vi em Noronha são aqueles que estavam levando mercadorias para a ilha ou ainda outros que estavam levando parte do lixo gerado para ser tratado no continente.

É possível ligar para alguma agência de viagem e verificar a possibilidade de algum veleiro levar passageiros para Noronha, mas acho que essa trabalheira toda não compensa, visto que existem voos diretos para a ilha partindo de Recife e de Natal.

Eu comprei minha passagem pela Gol no inicio de abril de 2019 e paguei R$ 1679,58. O meu percurso começaria em Vitória, no Espírito Santo, que é o aeroporto mais perto de mim, com conexão em São Paulo e Recife para só ai, pegar o avião para Noronha.

O meu voo se iniciou às 06:20 horas e chegaria no destino final às 16:00 horas. Porém, houve alguns atrasos nesse dia e chegamos mais tarde. Em Recife estava chovendo demais e, portanto, os voos que iam para lá e saiam de lá estavam todos atrasados.

Isso me deixou enlouquecida com o fato de poder perder o voo e com isso, só conseguir chegar no outro dia. Mas a companhia monitorou tudo muito bem e ninguém ficou para trás.

A Gol opera dois voos diários para Noronha e a Azul três, todos saindo de Recife. Já a Azul opera dois voos saindo de Natal. E acredita, todos esses voos operam diariamente lotados. Todo dia tem muita gente saindo e muita gente chegando a ilha.

Taxas para entrar em Fernando de Noronha

Uma das coisas que mais encarecem uma viagem para Fernando de Noronha são as taxas a serem pagas.

Existe uma taxa que é obrigatória para todo turista, a Taxa de Proteção Ambiental, conhecida pela sigla TPA. O valor da taxa varia de acordo com o tempo que o turista permanece na ilha. Eu, por exemplo, paguei R$ 414,66 para ficar 6 dias. Uma pessoa que vá ficar 10 dias pagará R$ 626,37.

É possível pagar essa taxa antes da viagem ou no aeroporto. Eu paguei antes, em junho, e achei melhor não perder tempo no aeroporto pagando isso, além de adiantar uma despesa de viagem.

Para pegar a taxa é só entrar no site: https://www.noronha.pe.gov.br/turPreservacao.php

É preciso preencher um formulário de controle migratório com todos os seus dados, o seu período de permanência, local de hospedagem, etc. Daí é gerada a taxa para ser paga.

São gerados dois formulários que devem ser impressos e levados para serem apresentados no aeroporto. Um funcionário assina o formulário do controle migratório e você deve mantê-lo consigo para apresentar quando estiver indo embora da ilha antes de entrar para o embarque. Então não perca esse papel de jeito nenhum!

O funcionário do aeroporto também verifica o formulário de guia de identificação que você deve apresentar na recepção da sua hospedagem.

Outra taxa a ser paga em Fernando de Noronha é a taxa para entrar no Parque Nacional Marinho, o Parnamar. Essa taxa não é obrigatória como a TPA.

Mas se você não pagá-la não terá acesso à praia do Sancho, do Leão e do Sueste, além de não poder fazer nenhuma das trilhas guiadas, que são as trilhas dos Abreus, do Atalaia, Pontinha, Caieira, Do Capim-Açu e do Morro São José.

Desta forma, esta é uma taxa que não é obrigatória, mas que praticamente todo mundo paga. Eu, por exemplo, que queria muito fazer algumas trilhas tive que pagar.

Existem duas formas de obter o ingresso do Parnamar: comprando na ilha ou comprando de forma online. Eu comprei de forma online antes de chegar em Noronha, assim como a TPA.

De forma presencial é possível comprar no Centro de Visitantes do ICMBIO que fica na Vila do Boldró e funciona diariamente entre 08:00 e 22:00 horas. Acho que este é o local mais fácil para quem quer agendar as trilhas porque compra o ingresso e já faz esse agendamento.

Também é possível comprar no PIC Golfinho, o Posto de Informação e Controle da entrada da praia do Sancho, entre 08:00 e 18:30 horas e no PIC do Sueste entre 09:00 e 16:00 horas.

A taxa custa R$ 111,00 para brasileiros e R$ 222,00 para estrangeiros. Eu paguei em junho R$ 106,00, então o valor atual já teve um acréscimo.

Mais informações sobre o Parnamar (horários, atrativos, etc) e a compra do ingresso online podem ser obtidos no site: https://www.parnanoronha.com.br/

chegada a Fernando de Noronha
Chegada no aeroporto de Fernando de Noronha. Confusão só para saber para onde vai quem já pagou a TPA e quem ainda vai pagar.

A ilha de Fernando de Noronha

Noronha, na verdade, é a maior ilha do arquipélago de Fernando de Noronha. Sendo que esta parte que todos conhecemos pela TV, jornais e revistas é a única ilha habitada do conjunto e possui 17 km² de área, com cerca de 10 km de comprimento e 3,5 km de largura máxima.

Para mim a melhor forma de programar os passeios e onde ficar foi visualizando um mapa da ilha para ter uma exata dimensão das localizações.

Embora, como você mesmo pode perceber, pelo seu tamanho, tudo é próximo em Noronha. Até os pontos mais longínquos do lugar nem são tão longe assim se compararmos com as cidades do continente.

Eu usei os mapas dos sites:


http://www.noronha.pe.gov.br/turMapas.php


https://www.ilhadenoronha.com.br/ailha/mapa_noronha.php


https://www.ilhadenoronha.com.br/ailha/mapa_noronha.php


Download

E o mapa do site do ICMBIO que possui com detalhes todas as trilhas e caminhos de Fernando de Noronha e pontos de interesse, como hospital, farmácia, entre outros:


Download


No aeroporto peguei um mapa igual a esse do ICMBIO e andei com ele o tempo todo. Foi ótimo para me localizar e verificar as melhores trilhas para chegar às praias.

Apesar de pequena a ilha é dividida em algumas vilas que são os locais onde há as residências e hospedagens: a Vila do Quixaba, o Sueste, a Vila 3 Paus, Vila do Boldró, Vila da Vacaria, Vila Floresta Velha, Vila Floresta Nova, Vila dos Remédios e Vila dos Trinta.

Sendo que a região com o maior número de hotéis, pousadas, hostels, agências, supermercados, restaurantes e outras facilidades para o turista é aquela onde estão as vilas de Floresta Velha, Floresta Nova, dos Remédios e dos Trinta.

Essas quatro vilas formam o núcleo mais urbano de Noronha. É ali que tudo acontece. Por isso mesmo se hospedar nesta região faz uma boa diferença.

Uma coisa maravilhosa de Noronha é poder não se preocupar com nada. Isso mesmo! Os moradores da ilha saem e deixam as portas de casa abertas.

Quando fui alugar um snorkel para uma trilha o rapaz falou que eu podia ou entregar lá no fim do dia ou deixar no portão do hostel pendurado que eles passavam lá no outro dia e recolhiam. Aliás, todos os lugares que alugam snorkel vão te falar isso.

Um guia me disse que essa confiança que todos tinham assim nas pessoas se deviam, principalmente, ao fato de eles viverem em uma ilha. Se alguém fizesse algo errado não tinha para onde correr e logo todos saberiam. Portanto, você pode andar despreocupado pelas ruas e trilhas de Noronha a qualquer hora.

Eu ia para a Vila dos Remédios comer algo a noite e voltava sempre bem tarde e eu não tinha medo de sofrer um assalto, um assédio, nada. A ilha realmente é muito tranquila.

Outra coisa que achei super legal sobre Fernando de Noronha é que neste ano de 2019 a ilha decidiu reduzir a utilização do plástico. Quando cheguei no aeroporto havia alguém explicando sobre esta determinação e entregando um folder informativo.

Noronha é um lugar pequeno mas recebe muitos turistas e, apesar de possuir uma usina de beneficiamento de lixo, a quantidade de resíduos gerada é muito maior que aquela que pode ser tratada.

A princípio o turista é pego de surpresa porque estamos acostumados a utilizar plástico em todos os lugares. Eu mesma quando ia no supermercado sempre esquecia de levar uma ecobag para levar as coisas para o hostel. Ou seja, sempre acabava comprando o que conseguia levar nos braços.

Como em julho de 2019 esta ação ainda era nova os comerciantes ainda estavam se adaptando, mas já tinham boas soluções. No meu hostel, por exemplo, havia várias ecobags que os hóspedes podiam usar.

Pelo que vi nos outros locais de hospedagem de Fernando de Noronha estava funcionando assim também.

Na praia e nos restaurantes os comerciantes já estavam utilizando canudinho de papel e as lojas já tinham bolsa de papel para o turista levar sua lembrancinha de Noronha.

Então para Noronha uma ecobag é uma boa solução para colocar na mala.

Onde ficar em Fernando de Noronha

Li em vários blogs a recomendação de ficar na Vila dos Remédios. Eu fiquei na Floresta Velha e achei tranquilo porque nesse pequeno núcleo urbano tudo é muito perto.

Na verdade em qualquer lugar da ilha é tranquilo de se hospedar, principalmente se você alugar um carro para se deslocar. Vi umas senhoras que estavam hospedadas na região do Sueste, que é o lugar mais longe do movimento. Elas tinham vindo para a Vila dos Remédios de ônibus e estavam voltando a noite de ônibus também.

Eu fiquei no Hostel Doce Lar, situado no Floresta Velha. Achei muito tranquilo. No primeiro dia que cheguei achava que as coisas eram mais longe e comecei a caminhar em busca da Vila dos Remédios. Quando vi já estava quase chegando no Porto. Não prestei muita atenção nas placas e acabei andando demais.

A Floresta Velha é uma vila onde mora muita gente de Noronha mesmo e acho que por isso vi uma ou outra pousada e o hostel que fiquei. A Vila dos Trinta também tem muito morador nativo mas um número maior de hospedagens. No Floresta Nova percebi mais hotéis e pousadas, construções mais novas, provavelmente mais moradores que vieram de outros lugares. De qualquer forma, esse é um dos “bairros” mais novos de Noronha. Muitos turistas ficam ali.

Uma coisa é certa: na ilha ou as hospedagens são muito ruins ou muito chiques. Não existe meio termo. O fato é que não se deve ir para Fernando de Noronha sem uma hospedagem reservada. Isso é um erro! A partir do momento que eu comprei a passagem de avião já procurei um hostel.

O hostel que fiquei tinha alguns problemas que faziam ele ficar muito ruim, pelo menos para mim. Ele se situa no fim de uma ruazinha sem saída que na época ainda era de terra e com uma iluminação muito precária. Quando choveu aquilo virou um barro só.

Mas no dia que eu estava voltando para o continente estava tendo obra na rua para fazer o calçamento. Então esse problema já não deve existir mais.

O número de banheiros é muito pequeno, somente 2, sendo que era um banheiro feminino e um banheiro unissex, portanto, os homens ficavam sempre prejudicados. Acho que havia um quarto privativo que não tinha esse problema, porém a grande maioria dos hóspedes usa esses banheiros.

Outra coisa que me estressou muito foi o fato de que os hóspedes não podem andar calçados no hostel. Isso só me foi avisado quando cheguei e detestava ter que ficar sem um chinelo no pé no hostel. Provavelmente a dona do lugar fazia isso para que ele ficasse limpo por mais tempo porque a limpeza era realizada somente de manhã por uma moça que chegava bem cedo.

Um dia a dona reclamou com uma das argentinas que estavam no meu quarto que tinha muita areia em nosso quarto. Ficamos iradas com isso porque estávamos em uma praia, de férias, e é claro que haveria areia em nossas coisas, mesmo que tentássêmos deixar tudo limpo.

Também não havia funcionários o tempo todo no hostel. Na recepção só ficava um funcionário nos momentos em que os turistas iam chegar, ou seja, nos horários dos voos.

Fora isso o hostel era tranquilo. A dona dele sempre levava um bolo lá a tarde para os hóspedes, mas eu nunca comia porque sempre estava na praia. As camas eram confortáveis.

O fuso horário

Como Fernando de Noronha é uma ilha no Oceano Atlântico, que fica bem afastada do continente, ela está adiantada uma hora em relação ao horário de Brasília. Então chegando lá é só adiantar o relógio para não perder os horários dos passeios.

Internet

A internet de Fernando de Noronha é péssima e o sinal de telefone também, tanto nas praias quantos nos hostels, pousadas e hotéis. Se você é daquele que adora postar uma foto na rede social vai sofrer um pouco.

Eu consegui conversar com as pessoas através do WhatsApp. Mas algumas vezes nada fazia funcionar o telefone e em muitas praias nada pega. Vi turistas tentando sinal para chamar um táxi e não conseguir. Ou seja, estando em Noronha, aproveite Noronha.

Transporte e deslocamento na ilha

A ilha é muito pequena e uma coisa que me chamou a atenção logo que cheguei é que junto à rodovia que corta todo o território de Noronha, por onde circula o único ônibus do lugar, há uma calçada.

Desta forma, se você gosta de caminhar e prefere se deslocar de forma bem econômica não vai ser difícil chegar às praias desta forma.

Me desloquei pela maioria das praias utilizando as calçadas e as trilhas que ligam a elas. Isso se torna muito fácil porque em toda a ilha há diversas placas informativas direcionando os caminhos.

Usei o ônibus muito pouco só quando precisei ir até a região do Sueste e quando fui à praia do Sancho. Pensei até em ir a pé para o Sancho, mas desisti. A passagem de ônibus custa R$ 5,00 e ele se desloca do Sueste até o Porto a cada 30 minutos.

As argentinas que estavam comigo no hostel se deslocaram o tempo todo a pé. Não foram em lugar algum de ônibus.

Outra forma fácil de se deslocar é através de carona. É incrível como as pessoas em Fernando de Noronha dão carona para os turistas. Uma menina chegou no ponto de ônibus onde eu estava, apontou o dedão e conseguiu uma carona. Eu não fiz isso, mas vi muita gente fazendo.

Uma coisa que aconteceu comigo foi quando voltei da praia da Cacimba do Padre. Estava caminhando pela trilha para alcançar a rodovia e chegar até meu hostel quando um buggy com três pessoas passou por mim e me ofereceu uma carona. Aceitei na hora.

Outra vez eu estava no ponto de ônibus do porto para voltar para o hostel quando passou um morador e me ofereceu uma carona.

Uma coisa legal de Noronha é isso, você consegue se deslocar a qualquer hora do dia ou da noite e até pegar uma carona com um desconhecido sem sentir medo.

É possível alugar um buggy também. Muitas pessoas alugam por um dia para percorrer a ilha. Há também a possibilidade de alugar carro, uma moto ou pedir um táxi.

Geralmente os turistas optam por alugar um buggy ou um carro, porém consegui ver alguns poucos casais que alugaram moto. Essa pode ser uma boa pedida porque é mais econômica, é mais fácil para andar pelas trilhas das praias, que muitas vezes não estão em bom estado.

Pude perceber que não são tantas opções assim mas em alguns lugares é possível pegar uma moto.

Uma informação importante para quem quer alugar qualquer veículo é que além do valor do aluguel – infelizmente esqueci de perguntar o valor – o preço da gasolina e do diesel em Noronha é muito caro.

Existe somente um posto na ilha que fica ao lado do porto de Santo Antônio. Quando eu estava lá a gasolina custava R$ 7,14 o litro e o diesel R$ 5,19. Agora deve estar mais caro que isso, mas é só para você ter ideia de como é caro ficar para lá e para cá em Fernando de Noronha de veículo alugado.

Também há a opção de alugar uma bicicleta. Sinceramente, eu não faria essa opção. Existem algumas subidas pelas estradas da ilha que fazem com que o ciclista tenha que fazer alguma forcinha. Como não sou uma exímia ciclista andar a pé ou de ônibus foi uma ótima opção.

Para quem quer usar o táxi há somente uma companhia, a Nortáxi, é só ligar que um taxista vai até você. Como já disse ali em cima algumas pessoas costumam utilizar esse transporte quando estão voltando para seus hoteis e pousadas. Outro detalhe é que, como o combustível é muito caro todas as corridas, por menores que sejam, também são caras.

O deslocamento do aeroporto para o meu hostel foi relativamente fácil. As agências que promovem os passeios fazem “acordos” com os hotéis, pousadas e hostels e buscam os passageiros no aeroporto.

Então esse transfer costuma ser grátis e as agências aproveitam para fazer a propaganda dos seus passeios. Daí se você realiza um ou mais passeios com a agência eles fazem o transfer de volta para o aeroporto. É só entrar em contato e marcar. Geralmente é só avisar na recepção da sua hospedagem que eles fazem o contato.

Mas se você não fez o passeio com a agência do transfer é fácil chegar ao aeroporto de ônibus ou ainda pegar um táxi.

passeios de Fernando de Noronha
Calçada em toda a extensão da rodovia e pela Vila dos Remédios, em Fernando de Noronha.
como andar em Fernando de Noronha
Ponto de ônibus de Fernando de Noronha.
ônibus em Fernando de Noronha
O ônibus de Noronha. Só tem ele!

Dinheiro

Está ai uma questão que já foi mais problemática em Fernando de Noronha. A ilha só tem duas agências bancárias: o Banco Santander, localizado na Vila dos Remédios e o Banco Bradesco, localizado na Vila dos Trinta. Há também caixas eletrônicos do Bradesco no aeroporto e na sede do Projeto Tamar, que fica ao lado do ICMBIO.

Existe uma Casa Lotérica que é correspondente da Caixa Econômica e uma agência dos Correios que serve como uma agência correspondente do Banco do Brasil.

De qualquer jeito, se você tem conta em outros bancos, na Caixa ou no BB, como eu que tenho conta no BB, o melhor mesmo é levar um pouco de dinheiro em mãos e usar o cartão, porque afinal eu não ia perder tempo indo nos Correios em horário comercial para tirar dinheiro em horário.

Usei o dinheiro vivo para pagar o meu hostel e as coisas que comprava na praia, como água de coco. As compras em supermercado, lanches ou restaurantes, eu passei o cartão. Em momento algum tive problemas em passar o cartão em algum estabelecimento.

O lagartinho Mabuia

Uma coisa que me falaram no hostel é que não era permitido levar comida para o quarto. Achei que era mais uma das determinações da proprietária. Porém, conversando com algumas pessoas depois vi que, na verdade, existem alguns lagartos na ilha que atacam a comida das pessoas.

Esses lagartos são conhecidos como Mabuia, uma espécie endêmica de Noronha. Não é exagero dizer que eles estão em todos os lugares e que há mais mabuias na ilha do que pessoas.

É preciso ter cuidado nas praias para que nenhum mabuia entre em sua mochila enquanto você está distraído. É sério, vi isso acontecer na praia do Sancho!

As praias de Fernando de Noronha tem poucas sombras por isso os turistas ou alugam um guarda-sol, ou se espremem entre as sombras de árvores que ficam próximas às trilhas.

Nessa região os mabuias estão aos montes e não se sentem intimidados com a presença dos turistas, ao contrário, veem neles a oportunidade de conseguir alimento.

Uma moça que encontrei no caminho da entrada do Parque Nacional Marinho me disse que na pousada onde ela estava com a filha os mabuias dominavam todos os lugares. Um dia a filha dela tinha aberto a sanduicheira e encontrado um mabuia lá dentro.

Portanto, tenha cuidado com suas coisas. Sempre que for dar um mergulho feche a mochila. Se tiver alimento no quarto deixe-o bem acondicionado.

Onde comer em Fernando de Noronha

Fernando de Noronha é um local com muitas opções para comer havendo opções mais baratas que, na verdade não são tão baratas assim, até aquelas bem caras.

Devo dizer que quando viajo não costumo almoçar. Geralmente eu como algum lanche, biscoito, etc, e a noite algo mais substancial. Então durante o dia eu sempre tinha um lanche na mochila e muitas vezes comprava uma água de coco do Sr. Manoel na praia da Conceição.

O Sr. Manoel é um senhorzinho bem bacana que fica com uma barraca de coco bem gelado. O preço é R$ 10,00 e depois ele ainda abre o coco para você comer.

Mundo Verde/Raízes

Comi muito nesse lugar, principalmente porque ele fica ali na BR e próximo à entrada para o Floresta Velha.

Ele tem uma placa do Mundo Verde mas se chama Raízes e Açaí. É lanchonete e ainda tem uma padaria. É um pouco confuso tudo isso mas o lugar é ótimo. Não é tão caro quanto outros lugares e é delicioso.

Ali comi açaí, sanduíche, lasanha e comprava pão. Além disso tem pratos, saladas, omeletes, vitaminas, sucos e sopas. Comia alguma coisa nesse lugar sempre que voltava da praia justamente para dar uma energizada, ir para o hostel e tomar um banho para sair para dar uma volta e comer alguma coisa mais a noite.

Hambúrguer do Gaúcho – Gaúcho Burguer

Essa hamburgueria fica na Vila dos Remédios. Passava em frente a ela e via sempre vazia e por isso resolvi entrar. Como estava com muita fome pensei que meu lanche sairia bem rápido. Saiu mesmo, só tinha eu lá.

O cheese burguer que pedi estava bem gostoso mas achei muito caro, paguei R$ 40,00, e no lanche somente tinha a carne, um molho e o queijo. Nada mais! Não voltei lá porque não achei que valia a pena.

Burgueria

Na época esta era uma hamburgueria que havia sido aberta a menos tempo em Fernando de Noronha mas sempre estava lotada.

Comi um hambúrguer lá um dia, escolhi o mais barato que tinha no cardápio (R$ 28,00) e um suco de latinha (10,00).

Restaurante Flamboyant

Esse restaurante fica na praça Flamboyant. Ele é super requisitado, fica sempre cheio e é daqueles que você terá que desembolsar uma grana. Para quem estava em uma viagem econômica como eu, esse foi o local que escolhi para gastar um pouco a mais. Fui no restaurante com uma menina do hostel numa terça-feira.

Uma coisa importante a se saber é que em Noronha as coisas funcionam até 23, 23:30 horas. Algumas poucas coisas funcionam um pouco mais, principalmente naqueles lugares que tem alguma música ao vivo. Não era o caso do Flamboyant!

Chegamos lá em torno de 22:00 horas, sentamos e esperamos. Já não havia muita gente no restaurante e, mesmo assim, ninguém nos atendeu. Esperamos muito e quando já íamos nos levantar um garçom, enfim, veio nos atender. Reclamamos com ele.

Falamos que estávamos ali a tempos e até então ninguém tinha ido nos atender, mesmo com os garçons vendo a gente chegar.

Pedimos uma moqueca de peixe. A comida veio rápido, mas não gostei. Achei sem tempero e sem gosto. Conversando com uma pessoa depois, ela e a filha dela me reportaram a mesma opinião sobre o mesmo prato.

De fato as duas eram de Minas Gerais e mineiro realmente é difícil de agradar com relação a comida!

Babalu Tapiocaria

Vi as indicações desta lanchonete nos blogs como uma alternativa econômica e acabei indo lá. Adorei! Achei o lugar bem legal, o atendimento também. Além do que achei a comida gostosa.

A Babalu é uma tapiocaria muito bacana, mas tem também hamburgueres, pastéis e porções. Você pode comer uma tapioca por R$ 15,00 e um hambúrguer a partir de R$ 18,00 ou R$ 20,00.

A tapiocaria se localiza do lado do banco Santander.

Mais detalhes sobre a Ilha de Fernando de Noronha podem ser encontrados no site https://www.rotanoronha.com.br/.

Você também pode ler sobre os passeios e as trilhas que eu fiz nos posts:

Todos os gastos relacionados a minha viagem para Fernando de Noronha podem ser observados na tabela abaixo:

PLANILHA DE CUSTOS DA VIAGEM – FERNANDO DE NORONHA – 14/07/2019 A 20/07/2019
GastosValor (R$) – BRL
Passagem de ônibus de ida para Vitória53,00
Passagem aérea – GOL1679,58
Taxa de Proteção Ambiental – TPA (6 diárias)414,66
Taxa de entrada no Parque PARNAMAR106,00
UBER para o aeroporto de Vitória7,20
Lanche no aeroporto de Guarulhos9,00
Hospedagem Hostel Doce Lar (6 diárias)780,00
Passeio de Barco – Primeiríssima150,00
Guia da trilha Atalaia-Pontinha-Caieiras 150,00
Compras no Mercadinho Boldró19,00
Sanduíche no Mundo Verde30,00
Compras no Supermercado Breakfast8,00
Água de coco na praia da Conceição – dois cocos20,00
Açaí no Mundo Verde36,00
Cheese Burguer no Hambúrguer Gaúcho 40,00
Compras no supermercado Noronha8,56
Tapioca no Babalu15,00
Moqueca do restaurante Flamboyant180,30
Pão na Panificadora do Mundo Verde2,75
Hambúrguer e suco no Burgueria10,00
Powerade no PIC do Sueste 10,00
Ônibus em Noronha15,00
Souveniers90,00
Jantar no Babalu35,00
Água no Supermercado Noronha6,00
Lasanha no Mundo Verde45,00
Tapioca no Babalu e água de coco23,00
Aluguel de snorkel e colete40,00
Lanche no aeroporto Galeão18,00
UBER do aeroporto para casa em Vitória12,00
UBER de casa para a estação ferroviária48,00
Passagem de trem para Aimorés48,00
Lanche no trem 6,50
Total4.115,55

E aí? Gostou das nossas dicas sobre mais essa viagem legal para fazer?
Deixe seu comentário ou dúvida aqui embaixo, que ficaremos felizes em lhe responder.


0 comentário

Deixe um comentário, ficaremos felizes em responder