A Chapada dos Veadeiros é enorme, e Cavalcante é uma daquelas cidades imperdíveis de conhecer. Quer saber como é fazer turismo nesse lugar? Leia esse post e veja como foi nossa viagem para lá.

Você vai encontrar aqui:

  • Indo para Cavalcante
  • Cachoeiras Santa Bárbara e Capivara
  • A Cervejaria Aracê em Cavalcante
  • As Cachoeiras do Rio da Prata
  • Fazenda Veredas e Cachoeira do Lava-pés

Indo para Cavalcante

Depois de uma boa estadia no distrito de São Jorge (você pode ver como foi essa parte da viagem no nosso outro post) seguimos para a cidade de Cavalcante. Um chãozinho bom.

Nesta cidade não tínhamos reservas, só saímos com alguns nomes de hotéis para procurar e o mais legal da cidade é que, assim como aconteceu em Alto Paraíso, lá também estava sem banco, que também havia explodido e a agência dos correios local ia ser transferida para outra cidade.

Ou seja, a vida em Cavalcante estava muito difícil e algumas pousadas que vimos só aceitavam dinheiro vivo.

O pior de tudo é que chegamos na cidade já a noite e não conseguíamos visualizar as placas de hotéis e pousadas. Tudo era muito escuro e ninguém na rua sabia informar alguma coisa. Tenso!

Depois de andar bastante por Cavalcante chegamos ao hotel do posto de gasolina da cidade, o hotel da dona Creusa (não lembro o nome do hotel). Ficamos ali mesmo: aceitava cartão, era econômico e bem simples.

Cachoeiras Santa Bárbara e Capivara

No outro dia pela manhã acordamos na disposição de ir para a comunidade dos Kalunga para ir até a cachoeira de Santa Bárbara, a razão de nossa viagem. Fomos até o CAT de Cavalcante e fomos muito bem atendidos lá, foi o CAT mais organizado que encontramos.

Também conhecemos um casal de Goiânia que topou seguir até os Kalunga e rachar o guia (nos Kalunga é obrigatório utilizar guia para acessar as cachoeiras, além de pagar entrada à comunidade). O problema foi que no caminho choveu canivete de novo, assim como a noite passada.

Chegamos lá e já tinha muita gente no local esperando. Ficamos ali em torno de uma hora tentando saber o que fazer. A chuva deu uma estiada ficando mais leve e decidimos contratar um guia local e fazer o que fomos fazer.

Ali conhecemos um rapaz de São Paulo que também topou rachar o preço do guia.

Contratamos um senhorzinho (não lembro o nome dele) bastante experiente. Pelo que percebi é um dos mais velhos do local e assim fomos.

Para chegar até lá só de carro traçado até o pé da trilha e assim fomos em uma caminhonete bem velha que pagamos por pessoa até o comecinho da trilha.

Tivemos que atravessar o rio duas vezes para chegar até a cachoeira, e como a chuva que caiu antes foi bem forte o rio estava bem cheio, porém conseguimos atravessar bem.

Andamos mais um pouco e chegamos na Cachoeira de Santa Bárbara. Decepção total!

Turismo em Cavalcante
Cachoeira de Santa Bárbara

Como tinha chovido muito em Cavalcante e em toda a região havia muito sedimento suspenso no rio e, por não ter sol não havia luz para refletir na água, ou seja, nada de água azul turquesa e sim uma cachoeira qualquer.

O guia nos disse que em períodos de férias e feriados o local fica lotado e muitas vezes eles tem que limitar o tempo em que as pessoas podem ficar na cachoeira para que todos possam desfrutar um pouco dela.

Estivemos lá num sábado comum e mesmo com chuva pesada estava bem cheio.

Descemos a Santa bárbara e fomos para a outra cachoeira, a Capivara. Esta sim conseguimos desfrutar bastante. A queda é linda. A trilha é uma descida que depois vira uma boa subida e passa por duas vezes pelo rio.

Chapada dos Veadeiros
Cachoeira da Capivara

A esposa do senhor de Goiânia que estava com a gente acabou caindo na descida e se machucou feio. A presença de um guia experiente fez a diferença.

Tivemos que transportá-la em uma rede improvisada e cada um foi ajudando de algum jeito. O pior foi para atravessar o rio de novo.

Há mais cachoeiras na comunidade Kalunga, mas não voltamos lá. Se alguém puder voltar pode conhecer locais bem bacanas. Converse com os guias.

A Cervejaria Aracê em Cavalcante

Uma bom lugar para comer e se divertir à noite é um local chamado cervejaria Aracê. Legal demais. É uma cervejaria de propriedade de um chileno no meio do nada em Cavalcante e que serve pratos deliciosos.

Além do que é um restaurante com um ambiente muito agradável e que produz a própria cerveja que é vendida por lá. E vou te falar, a cerveja produzida é ótima, além de ser um local que aceita cartão.

Não deixe de experimentar a cerveja de baru! Muito famosa em Cavalcante e região.

As Cachoeiras do Rio da Prata

No sábado à noite não choveu e o dia amanheceu até bonito. Claro que não era aquele sol maravilhoso mas estava firme. Decidimos ir no rio da Prata (local que nos foi indicado no camping Taiuá em São Jorge por um dos recepcionistas).

Voltamos ao CAT e lá conhecemos um casal que queria ir na cachoeira Santa Bárbara. Falamos com eles que tínhamos ido no dia anterior e a cachoeira estava com cor de terra e não valia a pena, porém eles queriam mesmo assim.

O guia não querendo perder serviço disse que nos levaria a todos no rio da Prata, ensinaria o caminho e eu e o Léo voltávamos sozinhos e que ele ia com o casal para a cachoeira Santa Bárbara. E assim foi feito!

O caminho para o rio da Prata é o mesmo para a comunidade dos Kalunga, ou seja, a mesma estrada esburacada e difícil do dia anterior. A única diferença é na bifurcação: à direita você entra para a comunidade, já continuando o caminho à esquerda, vai para o Rio da Prata.

Devo dizer que se não fosse a necessidade de virar a direita em um momento do caminho num alto de serra não teria necessidade de guia, mas como em outros locais retiraram a placa.

Chegamos todos, passamos a primeira cachoeira só para ver, eu e Léo voltaríamos nela depois sem os outros e sim, a cachoeira é maravilhosa.

Andamos mais um pouco e atravessamos o rio e estávamos na segunda que não dá muito para tomar banho. Logo chegamos na terceira e na quarta. Nesta última tomamos um banho daqueles. Em pouco tempo o casal e o guia se foram.

O guia nos explicou como chegar à quinta cachoeira e nos fez um alerta sobre a chuva que estava armando, que se viesse de um certo lado teríamos que sair correndo porque o rio encheria e não poderíamos mais atravessar.

Ficamos mais um pouco na quarta cachoeira e depois decidimos não ir até a quinta cachoeira (ficamos com medo da chuva). Dessa forma, chegamos até um poço que tínhamos visto no caminho e ali aproveitamos bastante o banho.

Na primeira cachoeira tiramos algumas fotos e ficamos ali admirando muito o lugar mas não chegamos a entrar. Voltamos para o hotel depois de um dia bem aproveitado. No caminho podemos ver a chuva que caia sobre Cavalcante.

Cachoeira do Rio da Prata I
Cachoeira do Rio da Prata II
Cachoeira do Rio da Prata III
Cachoeira do Rio da Prata IV

Fazenda Veredas e Cachoeira do Lava-pés

No outro dia, segunda-feira, decidimos ir até a Fazenda Veredas para fazer as cachoeiras que tem no local.

É bem fácil chegar até lá, não é tão longe da área urbana de Cavalcante.

A estrutura do local é ótima e dá para ir de carro pela maior parte das trilhas. A entrada para acessar as cachoeiras custa R$ 25,00. Quem quiser também pode ficar hospedado por lá, já que a fazenda também é pousada, e parece bem aconchegante.

Começamos a subir a trilha com nosso carrinho 1.0 e apesar dele ter chegado até um bom pedaço do caminho uma certa hora tivemos que deixar ele e ir a pé, afinal, a chuva dos dias anteriores deixou a estrada de terra bem ruim.

De todas as cachoeiras da fazenda só conseguimos entrar em uma e para ir para as outras teríamos que atravessar o rio e o tempo não estava ajudando. Começou a chover muito e tivemos que ir embora. Decepção total!

Mesmo assim, em tempo bom a Fazenda Veredas é um ótimo lugar para ir, até porque tem menos gente por ali e as cachoeiras não são difíceis de chegar. Nós realmente não demos sorte com o volume de chuvas que pegamos.

No caminho de volta parou de chover e estávamos chateados pelo passeio frustrado quando me lembrei que tinha visto uma placa de uma cachoeira ali do lado da cidade. Era a cachoeira do Lava-pés.

Parece que ninguém dá muita atenção a ela, todos passam batido pela placa e em todas as pesquisas que tinha feito para a viagem não havia visto ninguém falar dela.

Dá para ir de carro um bom pedaço mas é bem tranquilo de ir a pé também. Anteriormente parece que havia no local uma estrutura para receber turistas, mas que no momento não estava funcionando e parecia desativada.

Não vimos ninguém por perto e seguimos em frente a pé por uma trilha bem fácil e rápida.

A queda da cachoeira é pequena, a água é limpa e transparente. Logo na frente da queda tem a formação de um poço ótimo para o banho. Ficamos ali um bom tempo e voltamos para o hotel revigorados.

Cachoeira do Lava-Pés

No outro dia fomos embora para BSB e pegamos um vôo para Vitória.

Apesar de todos os percalços adoramos nossa ida Chapada dos Veadeiros: as cachoeiras são maravilhosas, as pessoas são ótimas e receptivas. Nossa principal recomendação para a região é: leve dinheiro vivo, isso facilita muito.

Assim foi a nossa viagem onde conhecemos 20 cachoeiras em 10 dias.


0 comentário

Deixe um comentário, ficaremos felizes em responder