Fora as praias que podem ser acessadas somente através de um passeio de barco a baía de Paraty tem 61 praias que são divididas de cinco formas:

As praias de Trindade: Piscina natural do Cachadaço (ou Caixa d’Aço), Do Meio, Dos Ranchos (ou de Fora), Do Cepilho e Praia Brava. Informações sobre as praias de Trindade você pode ler em nosso outro post: Um passeio por Trindade, em Paraty

As praias da Costa Leste: Laranjeiras, Praia do Sono, Praia dos Antigos e Antiguinhos, Praia das Galhetas, Praia da Ponta Negra, Praia de Martim de Sá, Praia da Sumaca, Praia do Pouso da Cajaíba, Praia da Toca do Carro, Praia de Itanema, Praia de Calhaus da Cajaiba. Praia de Itaoca, Praia Grande da Cajaíba, Praia Deserta, Praia do Sobrado, Saco do Mamanguá e Paraty-Mirim.

Destas praias eu estive na praia do Sono, como você pode ler neste post aqui: A Praia do Sono em Paraty, e em Paraty-Mirim e no Saco de Mamanguá. Estas últimas duas eu vou te contar um pouco mais a frente.

As praias com acesso por escuna: Saco da Velha, Praia da Preguiça, Praia da Conceição, Praia da Lula, Praia Vermelha, Praia Santa Rita, Praia do Baré, Praia do Engenho D’Água, Praia Grande do Engenho, Praia de Jurumirim, Praia de Iticupe, Praia do Bom Jardim, Praia do Canhanheiro, Cantagalo e Praia da Boa Vista.

Estas praias estão entre as mais bonitas de Paraty e o turista pode acessá-las através de passeios de barco ou escuna. Dentre essas estive nas praias Vermelha e do Bom Jardim. Também vou te contar sobre elas um pouco mais a frente.

As praias do Centro: Praia do Pontal e Da Jabaquara.

Confesso que não fui em nenhuma delas, apesar de terem acesso fácil por Paraty. Com uma pequena caminhada já se está em uma dessas praias. Por se localizarem na cidade são bem estruturadas, com bares e quiosques. Possuem águas calmas e são muito boas para ir com crianças.

As praias da rodovia Rio-Santos: Barra Grande do Corumbê, Praia do Corumbê, Praia do Rosa, Praia Grande, Prainha, Praia do Engenho Velho, Praia da Graúna, Barra Grande, Praia de São Roque, Praia do Taquari, Praia do Humaitá, Praia do Iriri, Praia do Cão Morto, Praia de São Gonçalo, Praia de São Gonçalinho, Praia de Tarituba, Praia de Taritubinha, Prainha de Mambucaba, Praia do Coqueiro, Praia de Mambucaba (Vila Residencial) e Vila Histórica de Mambucaba (Angra dos Reis).

Também não estive em nenhuma destas praias. Consegui ver algumas delas quando estava no ônibus em direção a Angra dos Reis e achei muito bonitas. Por estarem situadas na extensão da rodovia são bem fáceis de chegar de carro, moto, van ou até de ônibus urbano. Em muitas delas há estacionamento próximo ao acostamento. Daí o acesso geralmente se dá por uma trilha rápida. Talvez por isso, na alta temporada vi todas elas lotadas.

Algumas são boas para banho, outras nem tanto, mas muitas possuem bares e restaurantes, o que atrai muita gente, principalmente famílias.

Viu, são tantas opções que fica difícil saber para onde ir em Paraty. E o turista chega na cidade sem muita noção de onde ele pode ir por conta própria ou não. De qualquer jeito a maioria das pessoas sempre faz um ou mais passeios de barco ou escuna, que são vendidos nas muitas agências que estão espalhadas pela cidade.

Eu também queria fazer um desses passeios, afinal, as praias que tem acesso mais restrito geralmente são mais bonitas.

Existem algumas opções de roteiro que apesar irem em locais diferentes possuem a mesma duração, que é de 5 horas, e saídas entre 10:00 e 11:00 horas. O roteiros mais comuns são:

– Ilha do Algodão + da Cotia + Saco da Velha + Praia da Conceição;

– Ilha da Pescaria + dos Cocos + da Conceição + Praia de Santa Rita;

– Praia da Lula + Lagoa Azul + Ilha Comprida + Praia Vermelha. Este é o roteiro mais comum e considerado um dos mais bonitos. Praticamente todas as agências fazem esse passeio, desde aquelas com escunas com 180 pessoas a até barcos menores com 50, 35, pessoas.

O passeio de escuna custa em torno de R$ 60,00 e em barcos menores um pouco mais caro. No meu caso paguei R$ 90,00 por um passeio em barco menor e fiz um roteiro diferente destes.

Existe também a possibilidade de você alugar um barco. Como assim? Simples, é só ir no cais de Paraty e conversar com um barqueiro. Eles ficam lá disponíveis à espera de alguém, oferecendo passeios.

Uns amigos meus que estavam em Paraty na mesma época que eu fizeram isso. Eles conversaram com um barqueiro e fizeram um passeio com ele no outro dia, o que custou R$ 1.000,00. Como eles estavam em 10 pessoas saiu R$ 100,00 para cada um. Ou seja, se você estiver com um grupo grande talvez seja um bom negócio fazer isso.

O roteiro que o barqueiro fez com eles foi exatamente o mais tradicional, que eu já descrevi ali em cima para você.

barcos em paraty rio de janeiro
No Gladiador fizemos três paradas: na Ilha dos Cocos, na Praia Vermelha para almoço e na praia do Bom Jardim.

Nosso passeio de barco

No meu caso estávamos somente eu e minha irmã e depois chegou uma amiga nossa. Portanto, tínhamos que optar por um passeio menos privativo.

Quando chegamos no hostel vimos dois cartazes com opções de passeios e achamos legais, um deles era o Caipboat, que achamos bem legal. O grande diferencial dele é que tem caipirinha o tempo todo para os turistas, além de ser um barco menor. O preço era R$ 70,00.

Ficamos empolgadas com esse passeio mas acabamos fechando com o outro que também era um barco menor, o Barco Gladiador, e tinha um roteiro mais alternativo. Como já disse, pagamos R$ 90,00 e nosso passeio sairia meio dia do cais de Paraty com retorno às 18:00 horas.

No Gladiador fizemos três paradas: na Ilha dos Cocos, na Praia Vermelha para almoço e na praia do Bom Jardim.

passeio de barco em paraty rj
Iniciando o passeio animadas.

A Ilha dos Cocos é um lugar mais isolado de Paraty. Como demora mais tempo para chegar os passeios de escuna e muitos barcos não vão lá. E eu queria muito ir. Ela tem uma água azul maravilhosa e é ótima para snorkel.

passeio barco ilha dos cocos em paraty rio de janeiro
Só para você ter uma ideia da cor da água da Ilha dos Cocos.

A segunda praia, que é a praia para almoço, é a Praia Vermelha. Praticamente todos os passeios param nela para almoço. Nós não almoçamos lá porque já tínhamos comido bastante porcaria no caminho, sendo assim, conseguimos aproveitar bastante de suas águas calmas.

Os barcos precisam atracar mais longe e por isso, pequenos barcos dos restaurantes vão buscar os turistas. Desta forma, é possível se deliciar bastante com o mar dali sem ter que toda hora sair para um barco passar.

passeio de barco na praia vermelha em paraty rio de janeiro
A praia Vermelha. É aqui que as pessoas almoçam. Que praia! Olha essa água chamando para um mergulho.

Nossa última parada foi na praia do Bom Jardim que é de propriedade da Paris Filmes. Nessa praia não dá para fazer snorkel mas as águas são calmas e muito azuis. Nesse local nosso barco quebrou e ficamos um pouco mais até que outro viesse nos buscar. Voltamos apreciando um lindo pôr do sol.

passeio praia do bom jardim em paraty rio de janeiro
Praia do Bom Jardim. Todo mundo adorou que o barco estragou e ganhamos mais um tempinho ai.

Saco de Mamanguá

Esse era o lugar que eu mais queria ir em Paraty. Queria muito conhecer as águas que encantam tantas pessoas.

Para chegar até lá existem algumas formas, algumas mais alternativas que outras. Duas delas são: você pode comprar um passeio comum em alguma agência ou alugar um barco no cais de Paraty. A agência Paratytours faz esse passeio de fast boat. A agência Palombeta tem lanchas rápidas e roteiros convidativos. Não procurei saber sobre os preços dos passeios nas agências, mas quando dei uma pesquisada anteriormente achei um pouco mais salgado que os outros.

De qualquer forma fizemos de um outro jeito e achamos que foi super legal.

Para chegar ao Mamanguá é preciso pegar um barco, isso é fato. Mas em vez de pegar um barco em Paraty pegamos um ônibus na rodoviária da viação Colitur, pagamos R$ 5,00 de passagem e fomos até Paraty-Mirim. Esta é uma vila de pescadores que fica a 17,2 kms de Paraty e é o ponto mais próximo ao Saco de Mamanguá.

O ônibus demora 40 minutos da rodoviária de Paraty até o ponto final, que é onde o turista que quer ir ao Mamanguá precisa descer.

ponto final do ônibus paraty mirim rio de janeiro
Ponto final do ônibus para Paraty-Mirim. A praia e o cais estão ali naquela trilha a frente.

Paraty-Mirim é uma vila de pescadores bem simples. Com menos movimento que Trindade, por exemplo. Por isso mesmo, os horários de ônibus são mais esparsos. Logo, tirar uma foto dos horários de ida e volta que fica afixado na rodoviária é importante.

Para chegar até lá o ônibus percorre uma parte do caminho em asfalto e uma parte em estrada de terra que cruza uma reserva indígena. É possível ver alguns objetos indígenas sendo expostos para apreciação e compra pelos turistas.

O Saco do Mamanguá possui diversas pousadas para que as pessoas possam desfrutar um pouco mais do lugar e para quem fizer essa opção precisa ou pegar um barco no cais de Paraty ou pegar o ônibus até Paraty-Mirim e dali um barco para o Saco de Mamanguá ou, se está de carro, dirigir até a vila e deixar o carro no estacionamento.

Esta também é a opção para quem só vai fazer um bate e volta e está de carro. É só deixar o veículo no estacionamento e fazer o passeio. A tarde é pegar o carro de volta e ir embora.

Ao chegar na vila me surpreendi com o que vi. Esperava realmente o meio do nada e na verdade, achei ela bem estruturada. Não caminhamos muito por lá mas o pouco que vimos foi uma vila bacana, com boas opções de hospedagem para os turistas, restaurante e uma praia muito bonita e aconchegante, com quiosque.

Esse ainda é um destino pouco procurado pelas pessoas que vão a Paraty, sendo mais conhecido como ponto de partida para ir para o Saco de Mamanguá. Mas se você tiver oportunidade curta um pouco da praia deste lugar, vale muito a pena. É uma praia tranquila, boa para famílias com crianças. Em uma de suas extremidades desemboca o rio Paraty-Mirim, que dependendo de sua força pode deslocar o mar para longe, deixando as águas extremamente calmas. Enfim, eu realmente gostei muito deste lugar. Foi uma surpresa maravilhosa.

Bom, Paraty-Mirim ficaria para depois de Mamanguá que era o objetivo do dia. Nossa missão ao desembarcar na vila era achar mais gente para dividir um barco conosco para fazermos um passeio por Mamanguá.

praia paraty-mirim rio de janeiro
A praia de Paraty-Mirim. Um aconchego!

No hostel nos disseram que em épocas de baixa temporada o preço por hora estava em torno de R$ 60,00, mas como já tinha lido antes, em alta temporada só encontramos R$ 100,00 por hora. E nem adiantava conversar, tentar pechinchar, já estava tudo tabelado entre os barqueiros. Era isso ou nada. Alta temporada é fogo!

Para melhorar não conseguimos ninguém para dividir o barco. Então fechamos 3 horas com o rapaz que ia nos levar, o Natan, do barco Mar Azul, e se achássemos que queríamos mais íamos fechar mais uma hora no meio do caminho.

Demos sorte porque o sol estava a pino e com isso a água estava em seu tom mais lindo, um azul-esverdeado que encantou a todas. Ficamos maravilhadas com o lugar. Realmente foi um passeio que valeu a pena.

O Natan, nos levou em praias maravilhosas. A cada uma víamos a hora e marcávamos um tempo para ficar. Ao final achamos que as três horas estavam de bom tamanho.

praia saco de mamanguá paraty rio de janeiro
A cor das águas de Mamanguá. Lugar perfeito.
passeio de barco praia saco de mamanguá
É cada lugar lindo. Fácil de relaxar.

Tem gente que vai para o Saco de Mamanguá para aproveitar a praia e subir o Pico do Pão de Açúcar, que é o ponto mais alto da região e de onde se tem uma visão privilegiada. No cais de Paraty-Mirim vimos um grupo fechando para fazer esse passeio.

O barco leva os turistas para a praia do Cruzeiro, que é onde começa a trilha, e volta depois na hora combinada para buscar. A trilha tem 1,5 kms de extensão, é bem demarcada e é bem íngreme. Geralmente as pessoas levam em torno de 1,5 a 2 horas para chegar até lá em cima. Mas ninguém reclama, pelo contrário, todo mundo diz que é fantástico.

Eu queria fazer essa trilha, mas ia perder muito tempo de praia e as meninas que estavam comigo não são dadas a trilhas. E um outro agravante, nesse dia eu também não estava passando tão bem assim. Então, só conhecer o Saco de Mamanguá do mar já estava de bom tamanho. E que mar!

Uma curiosidade que eu não sabia: foi em Mamanguá que o casal de Crepúsculo, Edward e Bella, passou a lua de mel no filme Amanhecer. Bom, eu nem sabia disso e nem gosto da saga, porém a minha amiga estava louca para conhecer a tal casa.

Só dá para passar em frente. O dono plantou muita vegetação em volta para ninguém vê-la e ela está fechada há anos, desde que a justiça determinou que fosse demolida por estar em área de preservação ambiental. Isso foi lá em 2017 e a casa ainda não foi demolida e não tem graça nenhuma, mas está lá para os fãs da saga. E de qualquer jeito os barcos passam em frente a ela para ir para algumas praias.

Paraty-Mirim também é ponto de partida para outras praias além do Saco de Mamanguá. Por isso o turista que estiver hospedado por lá ou que estiver fazendo um bate e volta tem muitas opções do que fazer. É só contratar um barco e escolher um destino. Geralmente os mais comuns são Saco da Velha, Ilha das Cotias, Martim de Sá, Praia da Sumaca, Ponta da Juatinga, Cairuçu das Pedras. Uma boa opção é conversar com os pescadores, os barqueiros e levantar informações.

Vale a pena fazer um passeio de barco em Paraty? Demais! Visite nossos outros posts sobre esta cidade e veja o que você pode descobrir por lá:

E aí? Gostou das nossas dicas sobre mais essa viagem legal para fazer?
Deixe seu comentário ou dúvida aqui embaixo, que ficaremos felizes em ver seu comentário.


0 comentário

Deixe um comentário, ficaremos felizes em responder