Nesse post você vai encontrar dicas de turismo sobre o que fazer em 3 dias em Tiradentes, Minas Gerais.

Tiradentes é uma cidade pequena do interior do estado, situada a 191,4 km de Belo Horizonte, o que quer dizer que em 2 horas e 30 minutos de carro você já chega lá.

Ir de carro é umas das melhores formas para chegar a Tiradentes, não que seja essencial, mas a facilidade de ter um carro a mão ajuda a realizar alguns passeios.

Leia todo o nosso post ou acesse pelos links:

Você pode ver outras dicas sobre a cidade em nosso post Tiradentes: dicas de onde ficar, onde comer e quando ir.

1º dia em Tiradentes: Passeio pelas ruas da cidade

Chegamos em Tiradentes no começo da tarde. Deixamos nossas coisas na pousada, Aconchego de Minas, bem pertinho do Centro Histórico, e saímos a pé para desbravar a cidade.

Infelizmente não conseguimos ir a nenhum museu, nem entrar nas igrejas porque estavam todos fechados por causa da pandemia. Já era algo que a gente imaginava que ia acontecer. Tudo bem!

Mesmo sem museus e igrejas abertos só de caminhar pelas ruas, admirar a arquitetura antiga e entrar nas milhares de lojinhas já é um passeio e tanto.

No Largo das Forras você encontra as famosas charretes de Tiradentes, com passeios de vários preços. Vale a pena perguntar o roteiro e o preço. Quanto maior o percurso mais caro é.

Nós preferimos realmente caminhar pelas ruas, mas pra quem tem alguma dificuldade de locomoção, para quem está com criança ou para quem realmente gosta e quer fazer um passeio típico há um número bem grande de charretes para escolher.

De qualquer forma, qualquer percurso de charrete ou um passeio a pé por Tiradentes chegará ao chafariz de São José. Este local é datado de 1749, possui três fontes e foi a principal fonte de abastecimento da cidade.

É um monumento muito bonito e um dos locais mais visitados da cidade. Cheio de história, já que era ali que a população buscava água.

Atrás do chafariz há uma reserva de Mata Atlântica chamada de Bosque da Mãe D’Água que é onde a água do chafariz é coletada. A trilha do bosque tem cerca de 1 km. O acesso se dá através de um portão e pode ser realizada entre 8:00 e 16:00 horas. Nós não conseguimos ir até lá porque já tinha passado desta hora. Fica para a próxima.

O famoso Largo das Forras de Tiradentes. É daqui que partem os passeios de charrete e onde estão os bares e lojinhas mais concorridos
O chafariz de São José. Tem um pátio grande e bancos para sentar. Sinal de que antigamente era muito utilizado pela população.
Igreja Matriz de Tiradentes. É lindo andar pelas ruas da cidade e ver todos os casarios antigos compondo a arquitetura.

2º dia em Tiradentes: Passeio em Bichinho e no Museu do Automóvel

Separamos nosso segundo dia de passeios para ir a Bichinho, o distrito de Prados que é colado em Tiradentes. São 7 kms de distância até lá em estrada calçada.

Tem gente que faz o percurso de bicicleta. Não tem ônibus que liga estes locais então ou você vai de carro, de táxi, a pé ou de bicicleta mesmo.

Bichinho é como é conhecido o distrito Vitoriano Veloso que pertence a cidade de Prados desde 1938. É um local muito famoso pelo artesanato, produtos em madeira, metal e tecelagem.

Geralmente os turistas percorrem as lojinhas e ateliês a procura destes produtos. É uma delícia andar pelo lugar e ir descobrindo as coisas bonitas que tem por lá. A ideia é estacionar o carro em algum lugar e andar a pé.

Outro local famoso em Bichinho é a Casa Torta. Local obrigatório para visita e que fica bem na entrada do distrito. Infelizmente devido a pandemia ela havia sido fechada. Aliás, devido a algumas medidas muitas lojas nem estavam abrindo. Mesmo assim foi uma ótima visita.

Na volta de Bichinho passamos pelo Museu do Automóvel. Muita gente para lá, dá uma olhada e resolve não entrar. Nós pagamos o ingresso e entramos. Acho que foi um dos lugares que mais aproveitamos em nossa viagem. Ficamos 2 horas e 30 minutos lá dentro. Olhamos cada carro, cada detalhe e cada moto que tem lá também.

Passamos por cada galpão realmente apreciando os carros e achamos divertidíssimo. Para quem gosta de carro é algo imperdível. É um passeio auto-guiado. Em cada carro tem um cartaz com as informações do exemplar. Super legal!

A entrada para o museu é R$ 30,00. Estudantes e professores pagam meia. Muita gente não entra porque acha salgado o preço. Mas quem se dispõe a pagar vê que vale cada centavo.

Como voltamos cedo de Bichinho resolvemos ir a Santa Cruz de Minas. Outra cidade famosa por causa do artesanato e que fica a cerca de 7 kms de Tiradentes. O caminho é em estrada calçada e é bem bonito. Não encontramos nada que gostássemos em Santa Cruz e voltamos.

Nesse caminho que fizemos fica a entrada para a Cachoeira do Bom Despacho, bem perto da estrada. Estava fechada na época devido a pandemia, mas em tempos normais vale uma parada porque a queda é bem bonita, e tem alguns poços para banho. Subindo por uma trilha lateral a essa cachoeira há a cachoeira do Índio e mais acima a dos Anjos.

Outra coisa legal que tem nesse caminho é o Santuário da Santíssima Trindade. É uma igreja cuja construção original data do final do século XVIII. O santuário conta com um interior simples, um chafariz na área externa e a sala dos milagres.

Entrada do distrito de Bichinho. Repare como a estrada é toda calçada com pedras.
Casa Torta, fechada por causa da pandemia e das medidas adotadas por Prados.
As lojinhas de Bichinho começando a se abrir.
Um paraíso para quem adora compras.
O Museu do Automóvel. Alguns galpões para quem gosta de carro antigo.
O Museu do Automóvel

3º dia em Tiradentes: Travessia da Serra de São José e pôr do sol na Capela de São Francisco

É claro que a gente não poderia ir a Tiradentes e não fazer nenhuma trilha.

Existem três trilhas mais comuns na cidade: a trilha do Carteiro (cerca de 8 kms ida e volta), a trilha da Cachoeira do Mangue (cerca de 3 kms ida e volta) e a travessia da Serra de São José (cerca de 13 kms). Escolhemos, claro, esta última que é a maior delas e que passa por uma parte da trilha do Carteiro e termina na trilha do Mangue.

Nós contratamos um guia com a empresa de turismo Uai Sô. Realmente ir sozinho para a travessia acho que seria arriscado. O caminho não é óbvio, com trilhas demarcadas o tempo todo. Por isso, resolvemos contratar um guia.

Para a travessia pagamos R$ 120,00 por pessoa. Tínhamos direito ao guia, ao transporte para iniciar a trilha e no final dela, para voltar ao centro da cidade, e um lanche com biscoitos, água, barra de cereal e suco. A trilha do Carteiro custa R$ 90,00 e a do Mangue R$ 70,00.

Gostamos muito do trabalho da Uai Sô e recomendamos fazer o passeio com ela. São corretos, pontuais e atenciosos. Ainda dispõe para cada turista um cajado que ajuda para caramba no caminho. Bem bacana!

Os preços entre as empresas de turismo são praticamente os mesmos. Varia no máximo R$ 10,00 uma trilha ou outra, mas no geral é praticamente tabelado.

Eu diria que a trilha da cachoeira do Mangue é aquela que não vale a pena contratar um guia porque é fácil acessar a cachoeira. Os moradores vão até ela a pé mesmo, tem placa indicando.

É só seguir o caminho para a cidade de Santa Cruz de Minas e na rotatória com a placa que indica o Santuário, as atrações do Centro, Bosque da Mãe d’água, etc, seguir a direita. Há uma trilha ao lado de um portão grande de propriedade. Seguindo esta trilha não tem erro.

Colocando no Google também é fácil achar o caminho.

A travessia, apesar no do nome, é um percurso tranquilo, sem muitas subidas. É um caminho longo e que terminou na cachoeira do Mangue como compensação por toda a caminhada. Um ótimo passeio.

Esta cachoeira tem 3 quedas. Descendo ou subindo pelas pedras é fácil encontrar um bom lugar para tomar banho.

Terminamos esse dia vendo o Pôr do Sol no morro da Capela de São Francisco. A capela fica em frente a rodoviária e o pôr do sol ali é muito famoso. Chega a hora todos os turistas e locais vão para lá, se sentam no gramado e apreciam o sol ir embora.

Como é bem concorrido para pegar um bom lugar no gramado é melhor chegar cedo. Deixar para ir na hora do sol se pôr é certeza que você não conseguirá o melhor ângulo.

No dia que fomos o dia tinha algumas nuvens, não foi aquele pôr do sol, mas valeu!

Agora sim, iniciando a trilha.
A famosa Calçada dos Escravos.
Uma parte da trilha
Outra parte da trilha
E essa visão de Tiradentes e região espetacular
Uma das quedas da cachoeira do Mangue
Nós resolvemos ficar no último poço
Entrada da trilha para a cachoeira do Mangue a partir do Centro Histórico. É aqui que os moradores vão até a cachoeira.
A Uai Sô, empresa de turismo que nos levou para a Travessia recomendamos!

Outros passeios para fazer em Tiradentes

Infelizmente uma única viagem a Tiradentes não foi suficiente para nós conseguirmos fazer tudo o que a gente queria. Vai ficar para uma próxima ida à cidade.

Outra coisa legal é o contato com os locais, que nos deram algumas boas dicas de passeio, são elas:

Conhecer Prados

Prados fica a cerca de 20 km de Tiradentes, porém, para chegar lá de carro é melhor pegar o caminho de cerca de 33 km que tem estrada melhor.

A cidade possui uma infinidade de casarões datados dos anos de 1700. Foi lá que nasceram e viveram vários inconfidentes, inclusive Hipólita Jacinta Teixeira de Mello, a única mulher inconfidente.

Outra coisa legal é visitar os ateliês e lojinhas de Prados. Assim como em Bichinho, a cidade tem vários destes locais para ir.

Bate e volta a São João del Rei

Bem mais famosa que Prados, São João Del Rei é quase um passeio obrigatório para quem vai a Tiradentes. Muitos preferem ir para a cidade de Maria Fumaça e voltar de ônibus ou van. Inclusive é um passeio muito realizado pelas agências de turismo.

São João Del Rei é uma cidade grande, com mais de 80000 habitantes, mas que ainda conserva boa parte de seu patrimônio histórico e possui muitas cachoeiras e trilhas a serem percorridas na Serra do Lenheiro.

Passar o dia no Balneário de Águas Santas

O Balneário de Águas Santas funciona de segunda a domingo. É um local de recreação com boa estrutura para receber os turistas, como piscina (adulto e infantil) e duchas e área de lazer.

Menções sobre a região são muito antigas, desde quando uma área com abundância em água aos pés da serra de São José era utilizada para pouso e descanso dos viajantes e tropeiros. Algum tempo depois as fontes termais foram descobertas.

Por vários anos vem sendo realizada a exploração e extração destas águas que para muita gente tem propriedade de cura de feridas (por isso águas santas).

De fato, as águas do Balneário são radioativas e termais, indicadas no tratamento de doenças renais, pele e calmante quando tomada em duchas ou banhos de imersão.

A entrada custa R$ 30,00 por pessoa e estudantes, idosos e crianças pagam meia. Para quem não gosta de trilha para chegar a uma cachoeira é uma boa pedida para aproveitar em Tiradentes e um ótimo lugar para levar crianças.

Do Centro Histórico de Tiradentes até o Balneário são cerca de 13 kms de carro.

Gostou das nossas dicas? Aproveite e veja nosso outro post sobre Tiradentes: dicas de onde ficar, onde comer e quando ir. Na tabela abaixo você encontra a tabela com os nossos gastos na cidade.

PLANILHA DE CUSTOS DA VIAGEM – 14/01 A 17/01/2021 – Valores para duas pessoas
GastosValor (R$) – BRL
Lanche na cidade17,00
Tapioca Maria bonita71,50
Camisetas196,00
Combustível150,00
Presentes512,00
Entrada para o Museu do Automóvel45,00
Lanche no Museu do Automóvel21,00
Chico Doceiro – canudinhos e doce30,00
Água4,00
Trilha com a Uai Sô – travessia220,00
Almoço no Bar do celso40,00
Cerveja18,00
Sorvete na Casa das Latas22,00
Chop no 50 Tons de Malte40,00
Lanche na cidade28,00
Restaurante Barouk124,30
Pousada Pouso Aconchego de Minas471,75
Total2.010,55

0 comentário

Deixe um comentário, ficaremos felizes em responder